Loading...

A carta de um canário à senhora mãe justiça

A carta de um canário à senhora mãe justiça


Cordel do poeta potiguar Léo Medeiros abordando os tráficos ilegais de animais silvestres, a questão ambiental e sociedade.

Ao rei dos reis eu suplico
O poder da inspiração
Para narrar uma carta
Que me causou comoção
Escrita por um canário
Que é de partir coração.

Leitores preste atenção
Que tudo assim começou
Um papagaio me disse
Que um dia conversou
Com um canarinho preso
E veja o que ele contou.

Segundo o louro falante
O canário do sertão
Estava numa gaiola
Rodeada de alçapão
Amargando as mazelas 
Na mais horrível prisão.

O canário conversou
Com o louro hora e meia
Contou-lhe todo o viver
Fora e dentro da cadeia
No final leu uma carta
Mostrando que a coisa é feia.

Dizia mamãe justiça
Sou eu um pobre canário
Minha cantiga é mazela
E alpiste é meu salário
Estou padecendo mais
Do que Cristo no calvário.

Antes de eu vir habitar
Essa infeliz moradia
Num pé de serra bonito
Era o lugar que eu vivia
Cantando tão afinado
Num coro de sinfonia.

Tristeza não existia
Tampouco infelicidade
Pois lá a fauna e a flora
Tem um laço de irmandade
E o sol derrama de dia
Raios de felicidade.

Sinto falta dos passeios
Nos galhos das verdes matas
Comendo frutas sadias
Me banhando nas cascatas
Dormindo cedo e acordando
Com as belas serenatas.

Eu tinha grande amizade
Com campina e azulão
Conhecia coisas belas
Que havia na região
Antes eu cantava livre

Hoje choro na prisão....

Cordel: A carta de um canário à senhora mãe justiça
Autor:Léo Medeiros
Trilha Sonora: Tião Simpatia

 
Poeta Léo Medeiros 3887792373823689921

Postar um comentário

emo-but-icon

Página inicial item